Feridas: Tipos, causas e tratamentos (Parte 4) – Continuação

Parte 4 – Continuação

Dando continuidade à nossa conduta após a avaliação do tecido presente na ferida, peri-lesão e bordas. Hoje veremos mais especificamente sobre as coberturas utilizadas. Não abordaremos especificamente a composição e função das coberturas, veremos algumas opções de acordo com a indicação.

Cada curativo proporciona uma reação diferente, por isso avaliando o tecido presente, a fase da cicatrização em que a ferida esta, definimos um objetivo, a ação que queremos pra que haja a evolução da cicatrização.

Hidrogel

Portanto, uma lesão que se apresenta com Necrose Seca em seu leito, um tecido desvitalizado onde não há possibilidade de evolução, o objetivo é realizar a remoção da Necrose que pode ser de forma mecânica (bisturi e pinça) ou autolítica que proporciona a auto degradação do tecido necrótico através do uso de curativo interativos úmidos que proporcionarão a liquefação possibilitando a remoção da Necrose, para isso podemos utilizar Hidrogéis, preferencialmente os que sejam seletivos, tenham ação sobre o tecido Necrótico sem prejudicar tecidos de granulação que estejam presentes. Sendo uma lesão extremamente Seca, faz-se necessário aumentar ainda mais a umidade local para remoção da Necrose, para isso pode utilizar Placa de Hidrocolóide + Hidrogel.

Havendo Necrose úmida (ESFACELO) precisaremos verificar se este se encontra aderido ao leito da ferida e/ou se a ferida é exsudativa e se sim é necessário avaliar quantidade e aspecto da exsudação. Precisa- se analisar sinais de Infecção para determinarmos a cobertura. No caso do esfacelo aderido ao leito da lesão, precisaremos, assim como na Necrose Seca auxiliar na remoção desse tecido, pra isso utilizamos também o Hidrogel Seletivo, porque espera-se um tecido de granulação abaixo do Esfacelo.

Exsudação e Sinais de Infecção

Quanto a Exsudação e Sinais de Infecção, precisamos ser Criteriosos; No caso da Exsudação precisamos auxiliar na Absorção pra que esta não se deposite no leito da ferida o que pode ocasionar uma infecção e a maceração da Borda e peri-lesão devido a umidade Excessiva do local, por isso caso seja extremamente exsudativa podemos utilizar uma Espuma de Poliuretano ou Espuma de Hidropolímero para maior absorção ou placa de Alginato de Cálcio (normalmente se apresente como Hidrofibra) para menor absorção.

Na presença de sinais de Infecção faz se necessário o uso de Antimicrobiano. Visto que a ferida apresenta o esfacelo onde utilizaremos o Hidrogel, para a ação antimicrobiana podemos utilizar placas de Prata e Alginato, há a opção também de antimicrobianos sem o uso de agentes químicos, trata-se de Espuma de Poliuretano com uma camada de contato de acetato de cloreto de dialqui carbamoil (DACC), que atrai e retém a bactéria no Curativo.

Temos hoje no mercado a apresentação de Placas de Prata em espuma e Hidrofibra com diferentes formas de dispersão da prata e diferentes formas de absorção; a definição ocorre mediante a avaliação de cada caso individualmente, definindo o uso ou não uso da prata e da forma de absorção. O Esfacelo do leito, ao utilizarmos o Hidrogel, nos possibilitará a remoção desse tecido com mais facilidade.

Tecido Granulado

No tecido granulado, precisaremos proporcionar e controlar a umidade adequada do local para estimular a evolução para epitelização, também observando sinais de infecção e não deixando de avaliar constantemente bordas e peri-lesão. Observando a presença desse tecido a escolha da cobertura se dá ao observar a umidade do local, a fragilidade desse tecido, a profundidade da lesão.

No tecido de granulação temos diversas opções de coberturas; uma lesão cavitária por exemplo podemos utilizar Matriz de Colágeno que estimulará a granulação, protegerá de infecções. Esse curativo proporciona o preenchimento do local e consequentemente a formação do tecido de dentro para fora, pode ser utilizado em feridas sem profundidade; também há a opção do Colágeno com alginato de cálcio que também auxilia na absorção e homeostase.  Outra cobertura que estimula a granulação e protege o local da lesão e regula o nível de umidade, são atraumáticas e criam barreira antimicrobiana são as Espumas Hidrocelular e Membranas Poliméricas. Há também as membranas regeneradoras, os curativos de Biocelulose que mantém a umidade local e colaboram para a formação do tecido de granulação, proporcionam também alivio da dor.

Proteção do Tecido

Havendo a epitelização da ferida, precisamos proteger esse tecido e estimular vitalidade e regeneração adequada até a formação total da cicatrização. Podemos contar com curativos de Filme de Poliuretano que manterão a troca gasosa, protegerão e permitirão a visualização e troca atraumática; Podemos utilizar Malha de Acetato de Celulose impregnado com Petrolatum ou Rayon impregnado com AGE ambos proporcionaram hidratação e proteção do local; Também temos coberturas revestidas de Silicone que auxiliam na cicatrização adequada.

Para escolha e determinação do curativo adequado é necessário a avaliação criteriosa de um profissional capacitado. Em uma mesma ferida devido a apresentação de dois ou mais tecidos e fases de cicatrização diferenciadas, faz-se necessário um ou mais tipos de coberturas que serão associadas. É necessário o acompanhamento constante para identificar a evolução da cicatrização e caso essa cicatrização não esteja ocorrendo conforme esperado faz-se necessário uma nova avaliação.

Continue acompanhando nossas publicações …

Conheça nossos curativos (https://www.estomaplast.com.br/categoria-produto/curativos/)

 

Para ver a parte anterior acesse nossa postagem Clicando Aqui.

Escrito por: Enfª Gabriela de Castro Rodriguês Soares

por marcos galindo

Deixe uma resposta